sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Por que EU?


O autor de bullying escolhe o seu alvo aleatoriamente? É possível ter mais de um alvo ou mais de um autor de bullying em um mesmo caso? É por causa da aparência física que uma pessoa se torna alvo de bullying?

O autor de bullying, dentro de uma relação entre pares, sente a necessidade de se destacar e escolhe o caminho da violência para conseguir o seu objetivo: ser o valentão da turma.
Por isso, o autor precisa de um alvo, e é claro, de uma platéia. Não haveria motivos para agredir o alvo se não existissem espectadores para as suas ações, afinal, o autor se destacaria para quem?
O autor de bullying não escolhe seu alvo aleatoriamente. Por outro lado, o alvo não precisa ter provocado as agressões, já que uma das características deste fenômeno é a violência gratuita. Por que, então, algumas pessoas tornam-se alvos e outras não?
O autor de bullying, antes de olhar as características físicas de seu futuro alvo, ele o escolhe, inicialmente, pelas seguintes características:
·        Timidez
·        Baixa auto-estima
·        Pouca sociabilidade
·        Submissão
·        Insegurança
·        Passividade
È importante entendermos que essas características estão presentes na maioria dos alvos e podem ser temporárias ou permanentes.
As características descritas acima são permanentes quando fazem parte do temperamento do alvo. Ou, podem ser temporárias quando aparecem em detrimento a alguma situação, como por exemplo, o aluno novo na escola.
Quando o aluno é novo na escola, este precisa inserir-se em um grupo, familiarizar-se com o ambiente e as pessoas, enfim, adaptar-se. Logo, as características como timidez, pouca sociabilidade, insegurança podem aparecer neste primeiro momento, tornando-se um possível alvo de bullying.
Portanto, para o autor de bullying são mais importantes as características psicológicas que o alvo possui, do que as características físicas.
O autor de bullying possui um ou mais alvos para as suas agressões e, geralmente, está acompanhado.
Uma situação interessante é que nem sempre quem o acompanha é um autor de bullying, muitas vezes os espectadores preferem estar ao lado de quem comete as agressões - mesmo sem concordarem totalmente com as ações agressivas - do que estar ao lado do alvo e tornar-se a próxima vítima.
Este pensamento gera a continuidade dos casos de bullying na escola e, ainda, garante mais força ao autor das agressões.
Por isso, um trabalho de prevenção ao fenômeno é muito importante nas escolas, para que possamos mostrar aos espectadores como, por meio de simples atitudes, eles são importantes no combate ao bullying.

Autoria Carolina Giannoni Camargo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!

Li e não gostei.

Acabei de ler uma matéria no site da Revista Encontro dizendo que o caso de Goiânia não foi bullying. Até aí tudo bem, nem sempre é fác...