Siga-nos nas Redes Sociais

Bullying é uma doença?

O bullying pode ser considerado uma doença? Há tratamento para o bullying? O que acontece a quem sofre por causa do bullying?

O bullying não é uma doença, é um fenômeno que envolve violência e agressão. O que ocorre é que existem alguns motivos que justificam o comportamento agressivo do autor de bullying e, um deles, é o transtorno psicológico.
Observando as características dos autores de bullying e relacionando com as atitudes destes indivíduos, podemos concluir que o autor de bullying pratica a violência e possui determinado comportamento, devido a uma das seguintes possibilidades:
·         Educação Violenta: é muito comum ouvirmos casos de pais que educam seus filhos de maneira agressiva. Gritam, batem, utilizam palavrões e abusam de castigos violentos no cotidiano do lar. Crianças que crescem recebendo e aprendendo a se relacionar com o outro de maneira agressiva, não aprendem a respeitar o próximo, e ainda, repetem a pratica violenta nas suas ações, inclusive dentro da escola.     
·         Educação Permissiva: outra justificativa origina-se da educação sem limite e permissiva em excesso, que faz com que a criança cresça sem parâmetros do que é certo e errado, do que pode e o que não pode. No futuro, estas crianças tendem a não aceitar as regras, reagir de maneira agressiva e exagerada com as frustrações pessoais e não temer a nada e nem a ninguém.
·         Transtorno de conduta: é importante lembrarmos que a agressividade pode ser desencadeada pela falta de limites, ausência de carinho e atenção, acontecimentos passageiros na vida da criança, como a morte de um ente querido ou o nascimento de um novo irmão. Porém, quando a agressividade aparece de maneira insistente, sem que exista alguma das possibilidades descritas acima, pode haver algum transtorno comportamental e, então, o encaminhamento ao especialista é necessário e quanto antes melhor.  
·         Antes alvo, agora autor: muitos autores de bullying são vítimas de alguma violência fora da escola, podendo até mesmo serem alvos de bullying em casa e utilizar a escola como uma válvula de escape, tornando-se um autor de bullying neste local.
Quanto ao “tratamento” para o bullying, o melhor que se tem a fazer é a elaboração de um projeto contra o fenômeno.
Projeto este que envolva toda a comunidade escolar por meio de palestras, cursos de capacitação para os educadores, debates, assembléias, dinâmicas, elaboração de um veículo para as denúncias anônimas, enfim, são muitas as possibilidades para se trabalhar o bullying dentro dos espaços escolares.
Esse projeto é tão necessário que já virou lei em inúmeras cidades do Brasil, e um projeto de lei federal está sendo discutido para que este se estenda a nível nacional.
A preocupação é grande, pois o bullying não traz problemas apenas para o alvo das agressões. As conseqüências estendem-se para o autor de bullying, a escola, a família, o bairro e toda a sociedade.
Os alvos de bullying dificilmente denunciam o caso, e os motivos são inúmeros: medo por causa das ameaças, vergonha, falta de confiança em outra pessoa, crença de que o caso não poderá ser resolvido.
Com isso, o alvo vive muito tempo dentro de uma situação de bullying, potencializando as conseqüências por causa das agressões físicas e/ou psicológicas sofridas. Faço referência às seguintes conseqüências:
·         Desinteresse pela escola ou por alguma disciplina oferecida nessa instituição;
·         Baixa auto-estima;
·         Tristeza e angústia em excesso;
·         Falta de vínculo afetivo com colegas;
·         Ansiedade;
·         Depressão;
·         Pensamentos suicidas;
·         Transtorno comportamental;
·         Queda no rendimento escolar;
·         Doenças crônicas como alergias, queda de cabelo, gastrite, dores de cabeça e stress;   
·         Assassinatos;
·         Suicídio.

Autoria Carolina Giannoni Camargo

3 comentários:

  1. Oi Carol!
    Sempre acompanho o blogg!
    Me identifico como vítima do bullyng, se na época meus pais e os professores, tivessem conhecimento das consequências desse fenômeno, minha vida, HOJE, seria muito diferente, eu com certeza confiaria mais em mim, e acreditaria em mim... Ficamos "doente", quando não confiamos mais no nosso PODER, e eu sei que não acredito no meu PODER, pq um dia me fizeram sentir "menor"...acho que vc me entende né?
    Adoro o blogg, é como se alguém descrevesse tudo que eu passei um dia!
    Beijos...fiquem com Deus!
    Saudades...
    Larissa Zogaibe!

    ResponderExcluir
  2. Carol,
    andei pesquisando sobre bullying para o meu TCC sobre assedio moral no trabalho em face de Bullyin e vi o seu blog.
    Gostaria de citar o assunto com uma definição concreta de algum autor, inclusive definição como um disturbio.
    independentemente da resposta, agradeço desde já.
    Vitor Cruz - vitor_cruz@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. Hi there, You've done a fantastic job. I will certainly digg it and personally suggest to my friends. I'm sure they'll be benefited from this website.

    Here is my website cellulite treatment

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!