Siga-nos nas Redes Sociais

Pequena Miss Sunshine

Olá Pessoal,

Primeiramente, peco desculpas pela falta de postagens. Estou em viagem, fazendo cursos e descobrindo coisas interessantes sobre projetos contra o bullying aqui na Europa. Em breve postarei coisas bacanas sobre essa experiência.

Bom, mas coloco hoje um texto muito bom. Não é sobre bullying, mas vale a pena a reflexão. Afinal, trata-se de moralidade, futuro, educação, enfim, retrata uma realidade. Parabéns ao autor do texto!!

Espero que gostem!

Carolina Giannoni Camargo.

 Segue o texto!

Pequena miss sunshine


Todos os pais acreditam ser a sua prole o suprassumo da humanidade. São os filhos mais bonitos do mundo, inteligentes demais para idade, talentosos com a bola. É normal, chama-se corujice, e lá no começo da humanidade deve ter sido importante para proteger os filhos e garantir a existência da espécie.
Até aí tudo bem. Até é fofo ver os pais babarem por seus filhos e nos bares enaltecerem as qualidades deles, como já declinam verbos de maneira correta, como a meleca é mais verdinha. Mas tenho a impressão que isso vem passando dos limites do razoável. Já tinha me chocado com um programa sobre concursos infantis que passa em um canal de TV a cabo. As meninas se vestem, desfilam, respondem a perguntas como se fossem verdadeiras mulheres, candidatas a miss universo em potencial. Tem até concurso de talentos.
Desde o primeiro instante aquilo me chocou. Achei bizarro como mães e pais projetam nos seus filhos sonhos que povoaram as suas mentes quando eram jovens. A criança, parece, passa a ter o mesmo sonho dos pais, procura corresponder às expectativas nela depositada.
A cada episódio, chororôs e acusações de manipulação de resultados. Frustrações, muitas frustrações. A esta altura já não se sabe mais quem é a pessoa mais triste, a mãe — ao tomar contato com a realidade de que algumas pessoas (tolas, claro) não acham a filha dela a mais bonita, talentosa, simpática e inteligente de todo o mundo — ou a criança, que de tanto elogio parental, passou a acreditar nas mesmas coisas que a mãe.
Até aqui tudo bem, diria um filme. Mas, segundo a velha e pétrea Lei de Murphy, nada é tão ruim que não possa piorar.
Ao depositarem seus sonhos e desejos nas costas dos filhos, os adultizam precocemente. Acham, por exemplo, normal seios postiços em crianças de quatro anos. Querem as transformar em verdadeiras mulheres de 4 anos de idade. Ou, ainda, pôr botox na belezura de 8 anos de idade e dar cirurgias plásticas de presente para adolescentes.
Não se questionam padrões, se submetem a eles. Não se questionam padrões, submetem a eles suas lindas filhas. Temos, assim, toda uma geração de crianças hipersexualizadas (correspondendo aos desejos dos pais) e extremamente frustradas por não conseguirem correspndê-los.
Jogadas desde cedo num mundo brutal e hipercompetitivo, o que serão delas? O que, de fato, estamos criando?

2 comentários:

Deixe seu comentário!

Ato Público contra o bullying em SP

Dia 27 de agosto acontece ato público contra bullying e a violência infantil na Av. Paulista

Fonte: http://bagarai.com.br/dia-27-de-agosto-acontece-ato-publico-contra-bullying-e-a-violencia-infantil-na-av-paulista.html

Ação marca o lançamento da campanha nacional que há 10 anos luta contra a violência à mulher, ao idoso e à criança. Em 2011, o projeto Quebrando o Silêncio enfatiza o combate ao bullying.
23 de agosto de 2011, Atitude
No dia 27 de agosto às 15h vai acontecer uma ação na Avenida Paulista, no pátio do Trianom Masp. A mobilização voluntária marca o lançamento da campanha nacional Quebrando o Silêncio em 2011. “Violência, acabe agora com isso” será o principal apelo estampado em faixas, placas e camisetas durante as ações contra o bullying.
A ação será feita por centenas de jovens voluntários, envolvendo flash mob, um mural manifesto e a distribuição, para quem interessar, de revistas com orientações, pesquisas e entrevistas sobre o tema. O projeto Quebrando o Silêncio acontece em parceria com a rede de Colégios Adventistas em São Paulo, envolvendo milhares de professores, pais e alunos das escolas no combate ao bullying.
Dados da pesquisa Bullying escolar no Brasil, publicada em 2010 pela ONG Plan Brasil, mostram que no país cerca de 70% dos estudantes dizem já terem presenciado cenas de violência em suas unidades de ensino. Ainda de acordo com o levantamento, quase metade dos estudantes do Sudeste do País (47%) já viu algum colega sofrer bullying, definido como uma agressão feita de forma sistemática, praticada pelo menos três vezes contra a mesma pessoa num mesmo ano.

Mural Manifesto

Um mural de 30 metros será exposto próximo ao Trianom Masp, onde vai acontecer a ação. Em apoio ao projeto, as pessoas poderão deixar a marca de sua mão, formando um grande símbolo contra a violência.
Autoridades civis, membros dos conselhos tutelares de São Paulo e especialistas no assunto foram convidados para participarem do manifesto.

Manifesto público

27 de agosto às 15h
Av. Paulista – Trianom Masp

Ações no semáforo

22 e 23/08 das 9h às 10h e das 15h às 16h
Av. Paulista – em frente ao Trianom Masp
Voluntários divulgando a campanha com a camiseta: “Bullying. Acabe agora com isso!”

Para participar

Os paulistanos também são convidados a juntarem-se ao grupo nesta manifestação. Basta vestir uma camiseta branca, levar os amigos e dizer não à violência. Mais informações podem ser encontradas no site da campanha.

2 comentários:

Deixe seu comentário!

Crimes na Internet - Leis



Lei de cibercrimes causa divergências em seminário na Câmara
24 de agosto de 2011 17h17 atualizado às 17h21Sitte: Terra 

Proposta do deputado Eduardo Azeredo voltou a causar polêmica em seminário na Câmara. Foto: Beto Oliveira/Agência Câmara Proposta do deputado Eduardo Azeredo voltou a causar polêmica em seminário na Câmara
Foto: Beto Oliveira/Agência Câmara

A Aprovação de uma lei que puna crimes cometidos na internet voltou a causar polêmica em um seminário promovido pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática sobre o PL 84/99, projeto de lei do deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG) que tipifica os crimes na rede. Para os chamados ativistas da internet livre, os crimes já podem ser punidos por meio da legislação atual. Eles defendem que primeiro seja aprovado o anteprojeto de marco civil da internet, que estabelece direitos e deveres de usuários e provedores de acesso - o qual deve ser enviado pelo governo ao Congresso nos próximos dias. Para advogados, juristas e delegados, porém, a nova lei é necessária, na medida em que a legislação atual não abarca os chamados "crimes de alta tecnologia". As informações são da Agência Câmara.
O desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), Fernando Botelho, destacou que crimes comuns cometidos por meio da internet - contra a honra, pedofilia e "ilícitos matrimoniais", por exemplo - não demandam nova legislação. Atualmente, "99% dos crimes comuns já recebem punição; já os crimes de alta tecnologia têm recebido muitas vezes absolvição por dúvida", informou o desembargador. "Os tipos penais têm que ser precisos para que haja punição; é inaplicável a analogia", complementou.
O mestre em Direito Paulo Rená criticou a redação do projeto. "Em vez de "difusão de código malicioso em sistema informático", como está na proposta, melhor seria escrever "difusão de vírus por meio de computador". Para Rená, "a tipificação no projeto é vaga e pode abarcar outras condutas, causando sensação de insegurança nos internautas", afirmou. O presidente do Instituto Brasileiro de Direito da Informática (IBDI), Omar Kaminski, também considera os tipos de pena "excessivamente abertos", causando insegurança jurídica e desestímulo à inovação.
Guarda de logs
O deputado Newton Lima (PT-SP) saudou a chegada ao Congresso do anteprojeto de marco civil da internet. "Isso coloca ordem na discussão", disse. O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, anunciou ontem que o marco civil será encaminhado à Câmara nos próximos dias. Já o relator do PL 84/99 na Comissão de Ciência e Tecnologia, deputado Eduardo Azeredo, afirmou que o marco civil não é um contraponto a essa proposta, mas um complemento. "O único ponto de choque entre as propostas é o tempo de guarda de dados de conexão pelos provedores", informou.
A guarda dos dados de conexão dos usuários por um período de três anos voltou a gerar polêmica no seminário. O professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Luiz Fernando Moncau criticou a extensão do prazo previsto para a guarda de logs pelos provedores. Segundo ele, a União Europeia determina a guarda dos dados por prazo de seis meses a dois anos. "Para termos segurança, não precisamos abrir mão da privacidade", afirmou. As informações são da Agência Câmara.
O deputado Emiliano José (PT-BA) informou que, na Alemanha, a guarda de dados foi considerada inconstitucional. Segundo ele, dados mostram que a apuração dos crimes naquele país melhorou depois que a guarda de logs cessou. O parlamentar também criticou a extensão do prazo para a guarda previsto no na proposta. "Se houver guarda de dados no prazo, que seja por seis meses", disse. Por outro lado, o chefe da Unidade de Repressão a Crimes Cibernéticos da Polícia Federal, Carlos Eduardo Sobral, afirma que esses dados seriam essenciais para a investigação. "Sem esses dados, sequer é possível iniciar o procedimento investigatório", disse. Segundo ele, a guarda de dados de conexão (data de acesso e endereço de IP do usuário) não deve ser confundida com o monitoramento do tráfego do usuário.
Abaixo-assinado
Organizações sociais representadas pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) entregaram aos deputados Eduardo Azeredo (PSDB-MG) e Luiza Erundina (PSB-SP) um abaixo-assinado com 350 mil nomes repudiando o PL 84/99, que, segundo eles, é uma grave ameaça aos direitos e liberdades na internet.
Eduardo Azeredo disse que toda discussão é válida, mas que a tendência como relator é deixar o texto como está. "O projeto já está na fase final. A Câmara aprovou em 2003, o Senado em 2008. Estamos discutindo apenas as alterações feitas pelo Senado. Pelo Regimento Interno, nesta altura só é possível fazer exclusões", afirmou, segundo a Agência Câmara.

0 comentários:

Deixe seu comentário!

Justiça Restaurativa: aposta certa!

Justiça restaurativa é alternativa para lidar com bullying

Na visão de pesquisadores, evitar medidas socioeducativas convencionais e punitivas nesse tipo de caso mostra resultados mais positivos

Por: Luiz Braz, para a Rede Brasil Atual
Publicado em 07/08/2011, 15:55
Última atualização em 08/08/2011, 00:09

Justiça restaurativa é alternativa para lidar com bullying
Detalhe da capa do folder de orientação sobre práticas de prevenção ao bullying escolar (©Divulgação)
São Paulo – Um grupo de estudantes e professores de uma escola da capital paulista, descontentes com o comportamento agressivo de um aluno, solicitou à direção que organizasse um encontro entre os colegas de classe, os pais e até os avós do jovem, para uma conversa de esclarecimento.
O que pareciam atitudes gratuitas tinham, como pano de fundo,  a própria vida do protagonista dos atos violentos, filho de casal separado, que cresceu sem contato com o pai. A conversa sincera e aberta teve um caráter catártico e até terapêutico, que permitiu a reorganização do núcleo familiar e até mesmo a reaproximação com os colegas.
A história, narrada por Neemias Prudente, membro e fundador do Instituto Brasileiro de Justiça Restaurativa (IBJR), é um caso bem sucedido do tipo de intervenção buscado pela organização. Trata-se de um grupo de advogados voltada ao estudo de temas de Direito comparado e políticas públicas na área de cidadania e justiça.
Prudente explica que a forma como se conduz a situação é determinante para que o agressor não volte a cometer as agressões. "A justiça restaurativa é a oposição à justiça tradicional, porque trabalha com a reconstrução das relações", conceitua. "Todos têm voz – vítima, infrator e a comunidade – e participam do processo restaurativo e do seu resultado. A vítima percebe a reparação do dano e o agressor tem a oportunidade de restaurar o dano ao máximo, de mudar de comportamento, e ambos de restabelecerem relações."
Diferentemente das medidas socioeducativas convencionais, nas quais a finalidade é punir, a justiça restaurativa tem o intuito de promover uma reflexão sobre a atitude e a agressividade. Por isso, a prática pode ser crucial para lidar com casos de bullying (assédio moral, físico ou psicológico) no espaço escolar. A justiça restaurativa já é aplicada em algumas capitais, como Brasília e São Paulo. Na cidade de Campinas, interior paulista, já foi aplicada com sucesso em mais de 50 casos.
Esse tipo de situação, segundo pesquisadores, costuma estar mais associada a problemas sociais ou de relacionamento; não precisa ser entendido como crime. Uma das situações mais recorrentes de prática de bullying é protagonizada por crianças que vivem situações traumatizantes no ambiente familiar, o que inclui serem vítimas ou testemunhas de violência doméstica.
Análise feita pela pesquisadora Fernanda Pinheiro, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), no interior de São Paulo, aponta que entre as meninas vítimas de assédio moral nas escolas, 14% eram ou foram agredidas em casa ou estariam presentes durante episódios de violência entre membros da família, contra 7,5% dos meninos. Os responsáveis pelas agressões eram os pais com 60% dos casos, contra 85% dos casos em que as vítimas contaram ter sido agredidas pela mãe. Ainda segundo a pesquisa, a probabilidade de um aluno ser alvo ou ator de bullying triplica se houver agressão por parte da mãe e quadriplica se tiver sido vítima do pai.

Formação

A conscientização da problemática do bullying é um dos objetivos da psicóloga Ana Carina Stelko Pereira, doutoranda pela UFSCar, que em parceria com o Laboratório de Análise e Prevenção da Violência (Laprev) daquela instituição apresentou uma série de materiais ao Ministério da Educação (MEC). Ela defende a necessidade de preparo para os docentes lidarem com a questão. Um livro, um vídeo e um folder tratam de alertar para formas de prevenção do bullying nas escolas. A expectativa é de que o folder seja aprovado pelo MEC até o fim do ano.
De acordo com Ana Carina, a necessidade de capacitar professores decorre da ausência de preparo para lidar com questões como o assédio moral e a violência entre alunos. "Há uma falha na pedagogia, que não permite que o professor discuta questões relacionadas a direitos humanos. Não há espaço para um diálogo entre o professor e os colegas sobre os problemas de cada sala de aula", analisa.

Fonte: http://www.redebrasilatual.com.br/temas/cidadania/2011/08/justica-restaurativa-e-alternativa-para-lidar-com-bullying

0 comentários:

Deixe seu comentário!

Reino Unido: uma em cada 5 crianças é vítima do cyber bullying

   . Foto: AFP

Meninas são mais vítimas de cyber bullying do que os meninos, aponta pesquisa feita no Reino Unido

Foto: AFP 

Cerca de uma entre cinco jovens do Reino Unido sofreu cyber bullying, sendo as meninas mais afetadas do que os meninos, segundo pesquisa. Muitas das vítimas disseram que sua experiência prejudicou sua confiança, sua saúde mental e mesmo sua frequência escolar. O estudo foi feito por acadêmicos da Anglia Ruskin University com cerca de 500 jovens de idades entre 11 e 19 anos e foi divulgada pelo Daily Mail nesta terça-feira.
Quase um quinto, 18,4% admitiu ter sofrido cyber bullying, situações em que uma pessoa usa a internet ou o celular para intimidar o outro. Das 273 meninas questionadas, 60 delas, 22% disseram ser vítima de tal prática, enquanto 27 dos 200 meninos, equivalente a 13,5%, também enfrentaram o cyber bullying.
Dos 87 jovens que afirmaram ter sido vítimas do cyber bullying, um terço teve sua confiança "bastante" ou "muito" afetada, enquanto metade (52%) disse estar bem com sua saúde emocional. Pouco mais de um quarto (29%) dos que foram vítimas de outros disseram ter ficado longe da escola enquanto mais de um terço (39%) parou de socializar fora do horário escolar.
Dos 188 jovens que responderam a pergunta de se eles iriam procurar ajuda com o cyber bullying, menos da metade (45%) disseram que sim. Aqueles que responderam que não tinha medo de tornar as consequências ainda pior e/ou queriam lidar sozinhos com a questão. Aqueles que procuram apoio foram mais propensos a procurar a ajuda de pais e amigos.
Steven Walker, que liderou a pesquisa, disse: "Enquanto a maioria das interações online são neutras ou positivas, a internet oferece um novo meio através do qual crianças e jovens são vítimas de bullying. Ele acrescentou que muitas vítimas do bullying se que sabem que estão sendo atacadas, acreditam apenas ser uma brincadeira inofensiva.
"Enquanto o uso das mídias sociais entre os jovens continuar a crescer, a menos que o problema seja devidamente abordado pelos sites e agências de governo, o cyber bullying é só tende a piorar", disse o pesquisador.
Na semana passada a diretora de marketing do Facebook, Randi Zuckerberg, pediu o fim do anonimato online dizendo que os usuários de internet iriam "se comportar muito melhor" se todos tivessem de usar nomes reais ao navegar ou publicar na internet.

Fonte: http://tecnologia.terra.com.br/noticias/0,,OI5276403-EI12884,00-Reino+Unido+uma+em+cada+criancas+e+vitima+do+cyber+bullying.html

0 comentários:

Deixe seu comentário!

Balão Mágico canta bullying. Será?

Sugestão de atividade para o infantil e fundamental 1. 
Segue a letra que pode introduzir uma conversa sobre respeito, justiça e bullying.

Mãe-iê

A Turma do Balão Mágico

Composição: Osvaldo Nunes / Celso Castro
Manhê sabe o que me aconteceu?
Manhê o Tonico me bateu
Roubou meu saco de pipoca
O pirulito e o picolé
E depois ainda por cima mamãezinha
Deu uma pisada no meu pé Ai, ai, ai.
Manhê sabe o que me aconteceu?
Manhê o Tonico me bateu
Roubou meu saco de pipoca
O pirulito e o picolé
E depois ainda por cima mamãezinha
Deu uma pisada no meu pé Ai, ai, ai.

A música é do (Osvaldo Nunes / Celso Castro), mas achei apenas o vídeo a seguir. É melhor o som do original, cantada pelo Balão Mágico, mas fazer o que? Não encontrei. Por favor quem conseguir, gostaria que enviasse no meu email: contato.bullying@yahoo.com.br. Obrigada!!!

2 comentários:

Deixe seu comentário!

Bullying no quartel



Fonte:http://www.revistaladoa.com.br/ retirado em 21.07.2011 às 3:48

"Um rapaz de 19 anos foi violentado por outros quatro soldados no quartel do Parque Regional de Manutenção de Santa Maria, Rio Grande do Sul, na noite do dia 17 de maio. O rapaz que cumpria detenção por não se apresentar em um plantão foi agarrado, teve a boca tapada e foi violentado por outros quatro soldados, que o ameaçaram para não contar o ocorrido. Na manhã seguinte, após passar mal, o rapaz denunciou o ocorrido a um sargento e foi conduzido ao Hospital de Guarnição de Santa Maria, onde ficou internado por seis dias. Os militares negam que houve violência e pediram mais 20 dias para finalizar o inquérito militar que será apresentado em agosto. Tendo havido violência ou não, os militares serão julgados segundo o Código Militar, que proíbe sexo na caserna, informou o General Etchegoyen, segundo relatório do parlamentar Jeferson Fernandes (PT).

Quando o soldado estava internado, um militar que fazia sua escolta chegou a dizer que ele iria “se ferrar” por conta da repercussão do caso. Por vergonha, o jovem não contou a família do ocorrido, sua mãe foi informada por terceiros dos fatos e procurou um advogado. Os advogados da defesa denunciaram à Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul (ALRS) sobre a violência e silêncio por parte dos militates. A Comissão de Direitos Humanos da ALRS denunciou o fato e emitiu relatório escrito pelo deputado petista.

Segundo versão de KPK, o jovem violentado, ele cumpria o primeiro dos 10 dias de detenção por ter faltado a uma vigília na semana anterior. O rapaz alegou que freqüentemente era vítima de bullying por outros soldados e não sabe o que motivou a agressão. Apenas um dos quatro agressores não participou do ato sexual contra o rapaz que nega ser homossexual. O fato ocorreu no alojamento, e o crime foi de conhecimento de ao menos outros 15 militares que estava no local e não socorreram o rapaz. Um tenente teria dito à família que o jovem era homossexual, enquanto os pais visitavam o filho no hospital. Agora, KPK está sob licença médica e não participou da cerimônia de entrega da boina – quando um soldado é incorporado ao corpo do exército.
O crime está sendo julgado pelos militares, por ter ocorrido dentro de um quartel. A família teme que os militares neguem e a violência. O laudo médico do rapaz aponta a presença de escoriação anal mas os militares negam que isto seja suficiente para dizer que houve violência e chegam a dizer que a relação foi consensual. O inquérito militar preliminar chegou a apontar o ocorrido como uma “brincadeira corporal entre colegas”.
Com a denúncia na Assembléia Legislativa gaúcha, outros casos de violência sexual dentro de instituições militares começaram a aparecer, segundo assessoria do deputado Jeferson Fernandes."
 Olá Pessoal!

 "O rapaz alegou que freqüentemente era vítima de bullying por outros soldados e não sabe o que motivou a agressão."
 Uma das características do bullying é a gratuidade. Esta é ligada diretamente a uma segunda característica: a intencionalidade.
Vamos entender melhor?
Bullying é uma violência gratuita e isso significa que o alvo não precisa ter feito nada para que o autor sinta-se no direito de agredi-lo, umas vez que este, o autor, tem a intenção clara de se destacar perante aos demais. O objetivo do autor de bullying é sempre se destacar e ele faz isso rebaixando o outro, o seu par.
Abraços,
Carolina Giannoni Camargo. 

3 comentários:

Deixe seu comentário!

Vote!

0 comentários:

Deixe seu comentário!

Entrevista Aline e Carolina - Mulher.com

Acessem o link para o programa mulher.com e vejam a entrevista sobre bullying com Carolina e Aline da SEMEARE.

0 comentários:

Deixe seu comentário!

Entrevista Aline e Carolina - Ação Nacional









0 comentários:

Deixe seu comentário!

Entrevista Aline e Carolina

Assistam a entrevista sobre bullying com Carolina Giannoni Camargo e Aline Isabela Archangelo, da Semeare.

Link:
http://www.tvitape.com.br/index.asp?id_video=836&run=ultimos

Com carinho, Carolina.

0 comentários:

Deixe seu comentário!

Quando a escola é o espaço do inferno

Quando a escola é o espaço do inferno

Ruth de Aquino
Época
RUTH DE AQUINO
é colunista de ÉPOCA
raquino@edglobo.com.br
Quase 1.000 alunos são punidos, suspensos ou expulsos por dia nas escolas. Quase 1.000 por dia, alguns com 5 anos de idade! Por abusos verbais e físicos. No ano passado, 44 professores foram internados em hospitais com graves ferimentos. Diante do quadro-negro, o governo decidiu que professores poderão “usar força” para se defender e apartar brigas. E poderão revistar estudantes em busca de pornografia, celulares, câmeras de vídeo, álcool, drogas, material furtado ou armas.
Achou que era no Brasil? É na Grã-Bretanha.
Os dados são de um relatório governamental. “O sistema escolar entrou em colapso”, diz Katharine Birbalsingh, demitida do Departamento de Educação depois de criticar a violência nas escolas públicas inglesas. “Os professores acabam sendo culpados pela indisciplina. A diretoria da escola estimula essa teoria, os alunos a usam como desculpa e até os professores começam a acreditar nisso. Eles não pedem ajuda com medo de parecer incompetentes.”
Os alunos jogam a cadeira no mestre, chutam a perna do mestre, empurram, xingam. Ou furam o mestre com o lápis, fazem comentários obscenos, estupram, ameaçam com facas. Alguns são casos extremos pinçados pela imprensa. Os números na Grã-Bretanha preocupam. Mostram que as escolas precisam restaurar a autoridade perdida. Muitos professores abandonaram a profissão por se sentir impotentes. Educadores mais rigorosos pregam tolerância zero com alunos bagunceiros e que não fazem seu dever de casa.
As reflexões de lá são iguais às de cá. A violência nas escolas seria uma continuação do lado de fora, na rua e nos lares. A hierarquia cai em desuso. Valores e limites, que quer dizer isso mesmo? Crianças e adolescentes não respeitam ninguém. Nem os pais, nem as autoridades, nem os vizinhos, os porteiros, os pedestres, os colegas, as namoradas. Há uma falta de cerimônia, pudor e educação no sentido mais amplo.
E aí a culpa é jogada nos pais. Por não mostrarem o certo e o errado. Não abrirem um tempo de qualidade com os filhos. Esquecê-los em frente a um computador ou televisão. O de sempre. O aluno que peita o professor também xinga os pais. Aric Sigman, da Royal Society of Medicine, em Londres, autor do livro The spoilt generation (A geração mimada) , afirma que, hoje, até criancinhas nas creches jogam objetos e cadeiras umas nas outras. “Há uma inversão da autoridade. Seus impulsos não são controlados em casa. É uma geração mimada que ataca especialmente as mães”, diz ele.
Muitos professores abandonam o ensino por se sentir impotentes diante da violência dos alunos
E o que o governo britânico faz? Manda o professor revidar. Até agora, ele era proibido de tocar no aluno, mesmo ao ensinar um instrumento numa aula de música. A nova cartilha promete superpoderes aos professores. Mestres, usem “força razoável”, vocês agora têm a última palavra para expulsar um aluno agressivo, revistem mochilas suspeitas. Dará certo? Não acredito. Sem diálogo e consenso entre famílias, escolas, educadores e psicólogos, esse pesadelo não tem fim.
No Brasil, a socióloga Miriam Abramovay, da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), admite que os professores passaram a ter medo. Numa pesquisa para a Unesco em Brasília, em 2002, um depoimento a chocou: “Um professor me disse que ia armado para a escola. Como se fosse uma selva. Isso mostra total descrença no sistema”. Ela acha que o Brasil está investindo dinheiro demais em bullying, mas esquece todo o resto: “Nossa escola é de dois séculos atrás”. Os ataques aos professores não se limitam à sala de aula. Carros dos mestres são arranhados, pneus são furados. Eles não têm apoio nem ideia de como reagir. Muitos trocam de escola ou abandonam a profissão.
Quando Cristovam Buarque era ministro de Lula, tinha, com Miriam, um projeto nacional de “mediação escolar” para prevenir conflitos, melhorar o ambiente e estimular o aprendizado. “Paulo Freire dizia que a escola era o espaço da alegria, do prazer, mas assim ela se torna o espaço do inferno”, diz Miriam. O projeto não vingou. Cristovam abandonou o barco por sentir que Educação não era prioridade nos investimentos. E continua não sendo. Deveria ser nossa obsessão.

Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/1,,EMI249495-15230,00.html

0 comentários:

Deixe seu comentário!

Eptv na Escola

Secretarias entregam melhores redações para o EPTV na Escola

Foram selecionados 30 trabalhos de cada cidade para concorrer à premiação

15/07/2011 - 20:56
Da redação
Alterar o tamanho da letra A+A-
As Secretarias Municipais de Educação e Diretorias Regionais de Ensino concluíram nesta sexta-feira (15) o envio da seleção dos 30 melhores trabalhos de cada cidade para o projeto EPTV na Escola.
Veja site do Projeto EPTV na Escola
O concurso de redação tem como tema “Bullying: quando a brincadeira perde a graça”. Os estudantes classificados de cada cidade ganham um dia de passeio em Campinas, com direito de visita à EPTV e a um Shopping da cidade. No final, serão escolhidos os dez melhores trabalhos da região, onde os autores ganham prêmios e produzem uma série de reportagens baseadas no texto das redações finalistas que será exibida em nosso telejornal.
Prêmios
• Do 1º ao 10º colocado: um aparelho de TV Full HD
• Professores orientadores: assinatura da revista Terra da Gente e um Pen Drive 4GB com cordão personalizado.
• Escola do 1º colocado: um aparelho de DVD
• Diretor da escola do 1º colocado: assinatura da revista Terra da Gente e um Pen Drive 4GB com cordão personalizado.

0 comentários:

Deixe seu comentário!

Frases contra o bullying!


 E para quem se interessar, aqui estão nomes para trabalhos sobre bullying! É só clicar:

http://www.bullynobullying.blogspot.de/2014/10/ideias-de-nomes-para-trabalho-sobre.html

Carolina Giannoni Camargo
Bully No Bullying

97 comentários:

Deixe seu comentário!

Cyberbullying no Facebook

14/07/2011 10h45 - Atualizado em 14/07/2011 10h47 - G1 

Americana de 12 anos é condenada por perseguir colega no Facebook

Ela roubou senha de vítima e postou conteúdo sexual.
Menina foi condenada a liberdade condicional nos EUA.

Do G1, em São Paulo
Usuário testa serviço de desconto em lojas do Facebook no lançamento do serviço na Europa. (Foto: Suzanne Plunkett/Reuters)Meninas roubaram senha do Facebook de
colega e postaram conteúdo pornográfico
(Foto: Suzanne Plunkett/Reuters)
Uma menina de 12 anos foi condenada a liberdade condicional nos Estados Unidos por perseguir uma colega de classe no Facebook.
Segundo reportagem da rede “NBC”, a americana foi condenada por invasão de computador ao roubar a senha da vítima para entrar na sua conta no Facebook. Ela e outra colega de apenas 11 anos postaram conteúdo sexual explícito na página da vítima.

“Quero pedir desculpas por fazer as pessoas passarem por isso”, disse a jovem de 12 anos no tribunal na quarta-feira (13). “Eu me sinto muito mal e se eu pudesse voltar atrás eu mudaria tudo”.

Além de postarem conteúdo pornográfico na página da colega, as duas também enviaram mensagens para meninos para marcar encontros sexuais. A mãe da vítima chamou a polícia depois de encontrar mensagens vulgares na página da filha no Facebook, incluindo montagens com fotos da menina.

Segundo os promotores do caso, a vítima esteve na casa de uma das acusadas em março, onde ela teria se logado no Facebook. Suas informações foram armazenadas no computador da colega

1 comentários:

Deixe seu comentário!

Siga-nos no Twitter

@BULLYING_BRASIL

0 comentários:

Deixe seu comentário!

Semeare em Iracemápolis



0 comentários:

Deixe seu comentário!

Violência diminui chance de aluno ir bem na escola, diz estudo

“Tese de doutorado mostra que evasão escolar aumenta a criminalidade. Casos estão concentrados em regiões dominadas pelo tráfico.

            Uma tese de doutorado defendida na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (USP) mostrou que a violência diminui a probabilidade de estudantes terem bom rendimento na escola. A mesma pesquisa mostra que a evasão escolar aumenta a criminalidade.
            O estudo, do professor de economia Evandro Camargos Teixeira, que leciona na Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), usa dados da avaliação de português e matemática da Secretaria da Educação de São Paulo de 2007. Os cálculos foram feitos com base nas notas dos estudantes da 4ª série (5º ano), 6ª série (7º ano), 8ª série (9º ano) do ensino fundamental e terceiro ano do ensino médio.

            Veja probabilidade de estudante de escola violenta ter mau desempenho em provas, em escala de 0 a 1%:

Matemática
Português
4ª série
0,42%
0,14%
6ª série
0,19%
0,06%
8ª série
0,89%
0,05%
3º ano
0,54%
0,03%

            Segundo a tese, que contou com a orientação da professora Ana Lúcia Kassouf, o estudo de matemática é mais afetado que o de português. O pesquisador considerou as caracaterísticas individuais dos alunos como sexo, cor, renda domiciliar e escolaridade dos pais, e as características da escola, incluindo infra-estrutura, formação dos professores e violência.
            Em uma escala de 0 a 1, chega a 0,89% a probabilidade de alunos da 8ª série terem mau rendimento em matemática. Em português, é de 0,05% para a mesma série. “Percebi que talvez a exigência de raciocínio lógico em matemática seja maior”, disse Teixeira. Além disso, a correção das provas é mais objetiva nessa disciplina do que em português.
            Essas escolas ficam, principalmente, em regiões “mais conturbadas” de nível per capita menor, inseridas em locais em que o tráfico domina a vizinhança. Alguns dos fatores que ajudam a levar ao mau rendimento nessas escolas são a rotatividade de professores, as faltas dos próprios alunos e a dificuldade de concentração dos estudantes, segundo Teixeira.
Há uma associação forte entre a violência dessas escolas e o tráfico, mostra o estudo. “Os traficantes vão até a escola. Os estudantes são um público alvo importante. A escola não é uma ilha. Está inserida no contexto”, afirmou o professor.
            Sobre a evasão, o estudo mostra que o estudante deixa a escola, passa por transtornos, como empregos de baixa renda e desemprego, até entrar na criminalidade. O impacto para a economia, segundo o professor, é que ocorre um desperdício de capital humano atingido pela violência. “A mão de obra fica menos qualificada. Fica difícil atingir o desenvolvimento econômico dessa forma” , disse Teixeira.
            O bullying não faz parte do levantamento, já que não há pergunta específica sobre isso às escolas participantes da avaliação dos estudantes. O que os diretores reportam no questionário é se tem violência, não tem menção ao bullying, afirmou o professor.
            A conclusão do estudo é que escolas com nível alto de violência precisam de coerção da polícia a curto prazo, para que os criminosos sejam coibidos de agir. Em longo prazo, é preciso um trabalho com alunos, com a inserção de atividades culturais e lazer e com o incentivo à participação dos pais na escola."

Fonte: http://www.faxaju.com.br/viz_conteudo.asp?id=118648

0 comentários:

Deixe seu comentário!

Bully No Bullying está de volta!

Olá Amigos do blog Bully No Bullying,

Estamos de volta com muitas novidades, informações, atividades, pesquisas e notícias que envolvem o combate e a prevenção ao fenômeno bullying. E uma dessas novidades é que parte da equipe Semeare encontra-se na Alemanha em busca de projetos, pesquisas e entrevistas que acrescentarão e enriquecerão, ainda mais, o trabalho da equipe Semeare. Nossa coordenadora pedagógica no Brasil é a Aline Archangelo, que estará à frente de todos os projetos, cursos e palestras que ocorrerão em 2011 e 2012. Contem com ela! Contem com a Semeare e com blog Bully No bullying para prevenirmos este fenômeno no Brasil!
contato.bullying@yahoo.com.br / 55 19 97319733 / @bullying_brasil

Grande Abraço,
Carolina Giannoni Camargo.


0 comentários:

Deixe seu comentário!

Semeare na mídia

População engajada na campanha contra o abuso sexual
Campanha mobiliza sociedade contra abuso de crianças e pedofilia
Divulgação/Prefeitura de Paulínia
Palestras ajudam as pessoas a identificar e combater o abuso sexual de crianças e jovens
Com o slogan “Proteja Nossas Crianças e Adolescentes - Diga não à Violência”, a Prefeitura de Paulínia, por meio da Secretaria da Criança e do Adolescente (Seca), instituiu a Campanha de Prevenção e Combate à Violência contra crianças e adolescentes, com curso de capacitação, sobre abuso sexual e pedofilia e contou com a participação de 120 profissionais.

A Campanha atua na educação preventiva visando conscientizar, informar, sensibilizar e mobilizar toda população e reforçar a importância de prevenir e denunciar qualquer tipo de violência.

Responsável pela capacitação, realizada dia 18 de maio,  com 8 horas de duração, o consultor e perito da Assistência Social da Justiça, Josecler Alair de Oliveira, abordou de forma clara três temáticas: a primeira foi abuso sexual, perfil do abusador e como ele age. A segunda foi sobre o que é pedofilia, perfil do pedófilo e como age, e a terceira sobre os riscos da internet. Os participantes assistiram um filme seguido de debates.

O evento contou com a presença de conselheiros tutelares de 25 cidades do Estado de São Paulo, técnicos da Associação Criança Feliz, Casa Abrigo Caminho de Luz, professores de Escolas Municipais e Estaduais, representantes do CMDCA e da entidade “Semente de Luz”.

Na noite do dia 18, na Câmara de Paulínia, o consultor Josecler de Oliveira ministrou palestra para pais, educadores, presidentes de Bairros, representantes do CMDCA, vereadores e assessores da Câmara Municipal sobre abuso sexual e pedofilia alertando os participantes de como proteger nossas crianças e adolescentes.

A Campanha atuará com diversos instrumentos de intervenção tais como teatro, cine debate e palestras interativas, e pretende atuar em escolas, empresas, espaços públicos promovendo encontro de pais, crianças, adolescentes e educadores.

Dia 19 de maio - Educar para a Paz

A palestra “É possível educar para a paz num mundo tão violento?”, ministrada pela doutora Lídia Aratangy, reuniu entre outras autoridades o Promotor da Infância e Juventude de Paulínia, Danilo Roberto Mendes, memmbros do Conselho Tutelar, representantes do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, pais, professores e técnicos da Associação Criança Feliz, da Casa Abrigo Caminho de Luz e da Casa do Menor.

Lídia Aratangy, em suas colocações comoveu a plateia ao explicar que a mudança tem que começar em nós, pois sem perceber na nossa convivência diária cometemos os mesmos deslizes que queremos combater. É na adolescência que se desenvolve plenamente a capacidade de raciocínio abstrato, e é esse o melhor momento para se firmar o compromisso com valores morais como a tolerância pelo diferente, o amor à justiça, o sentimento de solidariedade e a compaixão.

Violência Escolar - Bullying

A Organização não Governamental Internacional Plan que atua em 66 países em defesa dos direitos da criança e do adolescente entrevistou 12 mil estudantes brasileiros em seis estados e 70% afirmaram terem sido vítimas de violência escolar. Outros 84% desse total apontaram suas escolas como violentas.

A Campanha “Proteja Nossas Crianças e Adolescentes - Diga não à Violência” terá como foco a violência escolar, fenômeno definido pelo estudo como “atitudes agressivas, intencionais e repetidas que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outro”.

A Campanha já atendeu em média 2.100 alunos das escolas estaduais (Dr. Francisco de Araújo Mascarenhas, José Paulino Nogueira - Núcleo e Padre Jose Narciso Vieira Ehrenberg) com palestras interativas na Câmara de Paulínia em vários horários. Outra escola que também vai aderir a Campanha é a Escola “General Porphyrio da Paz”.

A Campanha tem palestras com a pedagoga Carolina Giannoni Camargo, autora do livro “Brincadeiras que fazem chorar”, sobre bullying, e também terá outros instrumentos de intervenção como: teatro e cine debate, e vai atender crianças, adolescentes, pais e educadores.

Este ano a Campanha conta a participação do Ministério Público, Promotor da Infância e Juventude, Danilo Roberto Mendes, que vai ministrar palestras para os alunos das escolas envolvidas. Em linha com a sua política de atendimento, a Administração Municipal entende que prevenção e educação, mais que uma obrigação, é um compromisso desta gestão. E por meio da Secretaria da Criança e do Adolescente disponibiliza todos os recursos necessários para que eventos como esse aconteçam cumprindo sua missão, oferecendo um amplo projeto de educação continuada sobre os mais diversos temas de interesse público, para crianças, adolescentes e Famílias Paulinenses.

5 comentários:

Deixe seu comentário!

Semeare


Palestras, Cursos e Projetos

contato.bullying@yahoo.com.br

0 comentários:

Deixe seu comentário!

Efeitos do bullying


Quais efeitos do Bullying que devemos nos concentrar?
O bullying possui inúmeras conseqüências para os seus envolvidos. Podemos destacar três efeitos que consideramos importantes no que se refere ao combate a esta violência. São eles:
   
       Queda no Rendimento do Aluno e Abandono Escolar: 

A queda do rendimento escolar que, muitas vezes, leva ao abandono dos estudos é um efeito que envolve todos os participantes do bullying.
O autor busca o destaque entre os alunos e para isso utiliza de agressões físicas e psicológicas para conquistá-lo. Assim, a sua preocupação com as aulas, notas, atividades de classe, ficam em segundo plano.
O professor, ao conversar com este aluno sobre as suas notas, sem se dar conta do seu envolvimento com o bullying, acentua ainda mais as características do autor deste fenômeno – ser “do contra”, valentão, arrogante. Logo, desafiar o professor será mais um motivo para se destacar perante a turma.
O alvo de bullying, abalado psicologicamente por situações humilhantes, depreciativas e constrangedoras, não consegue concentrar-se diante as atividades a serem feitas e, muitas vezes, perde o interesse pela escola, pelos amigos e até mesmo pela própria vida.
Os espectadores, que são os que participam indiretamente dos casos de bullying, ficam divididos entre ajudar os colegas alvos e se aliar aos autores para não se tornarem a próxima vítima. Dessa forma, sentimentos como nervosismo, angústia, tristeza e medo surgem influenciando negativamente nas atividades escolares. Portanto, as seguintes conseqüências aparecem em todos os envolvidos com o bullying:
- Desinteresse pela escola ou por alguma disciplina oferecida
- Falta de vínculo afetivo com colegas
- Desconcentração nas atividades escolares.
- Desculpas para não ir à aula
- Abandono escolar 

 Agressão Moral 

 Ninguém passa pelo bullying sem sofrer algum tipo de conseqüência. Infelizmente, muitos dos envolvidos têm suas vidas marcadas pelos traumas gerados pelo fenômeno. Isso porque o bullying invade a vida da pessoa causando-lhe grandes sofrimentos psicológicos, e quando este não recebe uma ajuda adequada, as conseqüências podem ser irreversíveis:
      - Fobia Social
                  - Depressão
      - Autoestima baixa em excesso
      - Tristeza e angústia demasiada
      - Ansiedade
      - Pensamentos suicidas
      - Transtorno comportamental
      - Assassinatos
      - Suicídios
      - Arrogância extrema
      - Nervosismo constante   
O bullying pode mudar o destino, o rumo de uma vida. Ao olharmos os efeitos acima causados pela “agressão moral”, percebemos o quanto eles influenciam no futuro destes envolvidos, visto que os seus relacionamentos pessoais, profissionais e sociais ficarão visivelmente abalados.
     
       Criminalidade:

Pesquisas nos mostram que os envolvidos com o bullying, principalmente aqueles que participam desta violência como autores, tendem a apresentar comportamentos delinqüentes e envolvimento com a criminalidade, tais como:
      - Envolvimento com drogas lícitas e ilícitas;
      - Participação em gangues;
      - Comportamentos problemáticos e delinqüentes (depredação de patrimônios  públicos, históricos e culturais; desrespeito a todas as regras, etc.);
- Práticas de furto e roubo e outros.
Alessandro Costantini, pedagogo e psicólogo, nos mostra em uma pesquisa realizada na Itália que, 60% dos autores de bullying possuem ao menos um registro criminal antes de completar 24 anos de idade. Além disso, pensar na criminalidade como efeito do bullying nos faz refletir sobre o autor de bullying enquanto um ser social, que se constrói em meio à violência. Logo, as formas de resolução de conflitos, a relação existente entre ele e seus familiares, enfim, a maneira de se relacionar com o mundo será sempre através da agressividade.
Dessa forma, uma intervenção educativa na vida destas pessoas transforma as conseqüências negativas geradas por esta relação: bullying x criminalidade x sujeito.   
Por isso, combater o bullying é uma ação positiva que ultrapassa os muros da escola, favorecendo a qualidade do convívio social já que estas viverão em um lugar com menor índice de criminalidade.  
Esquema:
Trabalhar com os autores de bullying
               
Diminui o envolvimento deles com a criminalidade
 

Contribui para que, naquela realidade local, os crimes, os delitos diminuam


Favorecendo a qualidade do convívio social.
  

By Carolina Giannoni Camargo
direitos autorais / colocar referência ao copiar.

1 comentários:

Deixe seu comentário!

Cemeobes

Matéria Retirada do site:

http://www.cemeobes.com.br/sobre-o-cemeobes/

"O Fenômeno Bullying é conceituado como sendo um conjunto de comportamentos agressivos, intencionais e repetitivos, adotados por um ou mais alunos contra um outro, em desvantagem de poder ou força física, sem motivação evidente, gerando sofrimentos, insegurança e desequilíbrio psicológico, com graves repercussões para a saúde mental e para o desenvolvimento biopsicossocial dos envolvidos.
Brasília é pioneira no enfrentamento do Bullying Escolar no Brasil. Em 2004, na capital do país, foi criado o CEMEOBES – Centro Multidisciplinar de Estudos e Orientação sobre o Bullying Escolar -, resultado dos esforços de psicólogos e pedagogos conscientes da relevância do tema. De 2005 em diante iniciou jornada de palestras, seminários e capacitações em vários estados brasileiros, firmou parceria com Sindicatos e Empresas que deram sustentabilidade ao projeto. Com a ajuda do Ministério Público da Paraíba, inseriu o tema Bullying Escolar no Disque 100 (disque denuncia).
Com recursos próprios e de colaboradores voluntários, o CEMEOBES, tem promovido em todo o Brasil palestras, seminários, Workshops, capacitação de profissionais de educação, capacitação de oficiais do Batalhão Escolar da Policia Militar de Brasília e outros estados da Federação, capacitação dos Conselheiros Tutelares, bem como de alunos em escolas públicas e privadas e de pais de alunos.
Destaca-se o trabalho conjunto de diversos profissionais brasileiros que se despertaram para o tema. Autores como José Augusto Pedra, Lélio Braga Calhau, Gabriel Chalita, Carolina Giannoni Camargo, dentre outros, estão construindo uma nova história. O Brasil agora toma consciência da gravidade do tema para o qual Brasília pioneiramente despertou.  Em 2009, foi lançada a “Primeira Campanha Nacional de Combate ao Bullying”, sob a coordenação do CEMEOBES-DF, mobilizando para isto o setor governamental, com apoio da Senadora Marisa Serrano e da Comissão de Educação do Senado.
Apresentou diversos projetos a Ministérios e Autarquias, sem êxito. No entanto, publicou-se material didático para profissionais, habilitando-os na identificação, no diagnóstico e no encaminhamento dos casos de Bullying. Com o olhar diferenciado elaborou material adequado onde os próprios envolvidos poderão se proteger. Nestes seis anos tem proposto ações preventivas integradas às áreas de Educação, Segurança, Saúde e Justiça. Em parceria com instituições privadas educacionais, formou turmas de pós-graduação e mestrado em Pedagogia e Psicanálise com ênfase no Bullying Escolar.
Com a conscientização do tema que foi promovida e pelos dados estatísticos que vem sendo apurado em todo o Brasil, e por tratar-se de epidemia psicossocial expansiva grave, inclusive com vítimas fatais (casos Power Point), o CEMEOBES apresentou junto ao Ministério da Justiça projeto de construção do “Observatório Nacional de Combate ao Bullying”, em Brasília, com apoio do CRP-DF – Conselho Regional de Psicologia e do CRP-PR, do SINEPE-DF – Sindicato das Escolas Particulares de Ensino do Distrito Federal, além de ações do Conselho Nacional de Justiça e demais setores envolvidos. Para 2011, estabeleceu metas com envolvimento direto do Congresso Nacional.
Estamos distantes de resolver o problema, que passa por questões ideológicas, educacionais, familiares, políticas, econômicas e sociais. A sociedade brasileira passa pela maior crise de identidade já estabelecida, com quase uma década de escândalos e a falta de exemplos na formação da cidadania, que estimulem nossos jovens ao engajamento cidadão e à pró-atividade. Acreditamos que a atual crise oferece a oportunidade de proporcionar as mudanças sonhadas por todo o nosso povo. Nossas crianças e nossos jovens precisam de novos exemplos de sucesso associado à ética e ao Bem-comum. Para isso precisamos nos engajar em uma mobilização de toda a sociedade, pois o problema do Bullying Escolar e de outras formas de violência só será resolvido com a participação de todos."

4 comentários:

Deixe seu comentário!