quinta-feira, 29 de março de 2012

Bullying e Religião

Professora evangélica prega em aula e aluno sofre bullying na escola

 
Adolescente e seus pais em casa (Foto: Tiago Silva/DGABC) 

Adolescente de 15 anos passou a ser vítima de bullying e intolerância religiosa como resultado de pregação evangélica realizada pela professora de História Roseli Tadeu Tavares de Santana. Aluno do 2º ano do Ensino Médio na Escola Estadual Antonio Caputo, no Riacho Grande, em São Bernardo, o garoto começou a ter falta de apetite, problemas na fala e tiques nervosos.

Ele passou a ser alvo de colegas de classe porque é praticante de candomblé e não queria participar das pregações da professora, que faz um ritual antes de começar cada aula: tira uma Bíblia e faz 20 minutos de pregação evangélica aos alunos. O adolescente, que no ano passado começou a ter aulas com ela, ficava constrangido. Seu pai, o aposentado Sebastião da Silveira, 64 anos, é sacerdote de cultos afros. Neste ano, por não concordar com a pregação, decidiu não imitar os colegas. Eles perceberam e sua vida mudou.

Desde janeiro, ele sofre ataques. Primeiro, uma bola de papel lhe atingiu as costas. Depois, ofensas graves aos pais, que resolveram agir. "Ficamos abalados", disse Silveira. "A própria escola não deu garantias de que meu filho terá segurança."

O garoto estuda na unidade desde a 5ª série. Poucos sabiam de sua crença. E quem descobria se afastava.Da professora, ouviu que pregação religiosa fazia parte do seu método. Roseli não quis comentar sobre o caso.

A Secretaria Estadual da Educação promete que a Diretoria de Ensino de São Bernardo irá apurar a história e reconhece que pregar religião é proibido pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
Na escola, os alunos reclamam da prática. "Não aprendi nada com ela. Só que teria de ter a mesma religião que ela", disse um menino de 16 anos.

O que acha disso?
Escreva para nós! 

9 comentários:

  1. Poxa que coisa mais triste estes acontecimentos. Isto prova que religião não tem mesmo nada a ver com Deus e sim com idolatria. As pessoas não estão buscando Deus e sim a religião, mas e fazer a vontade de Deus, são poucos. Isto serve para todas as religiões, mesmo porque Deus é um só para todos e em sua palavra ele diz..Amai-vos uns aos outros! Pois de que adianta ter religião e ir para o inferno com ela? (refletir sobre isto é importante para os que realmente tem temor a Deus)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cristina Costa, obrigada por comentar. Lembrando ainda que a educação é laica, e como lei, deve ser respeitada. Cada um com sua crença e religião, não é mesmo? Abraços...

      Excluir
  2. Esta professora precisa de ajuda coitada, não sem sentido um profissional da educação antes de começar suas aulas fazer pregações utilizando o tempo do conteúdo e ainda por cima ferindo a religião dos alunos. Sou evangelica trabalho em uma escola pública e com alunos das séries inicias. Com autorização dos pais faço oração no inicio da aula, pois meus alunos são evangelicos e católicos e todos creem no mesmo Deus. Precisamos sim demonstrar o grande amor de Deus para nossos alunos, mas com atitudes e fazendo a diferença e não enfiando religião guela abaixo afinal isso é o dever da família. Que Deus nos dê sabedoria para exercer o papel de educador para que a escola possa cumprir seu papel. Um abraço a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Romilda Lima, obrigada por comentar. A educação é laica, por lei. Precisamos respeitar uns aos outros em todos os aspectos não apenas na religião, né? Abraços, querida!

      Excluir
  3. Precisamos sim demonstrar para exercer o papel de educador para que a escola possa cumprir seu papel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, que a escola cumpre seu papel de formar alunos e cidadãos que respeitam uns aos outros, inclusive a religião de cada um, ou ausência dela. Abraços!

      Excluir

Deixe seu comentário!

Li e não gostei.

Acabei de ler uma matéria no site da Revista Encontro dizendo que o caso de Goiânia não foi bullying. Até aí tudo bem, nem sempre é fác...