terça-feira, 19 de abril de 2011

Caso Rafael Fonseca

Estudante da PB que chegou a ameaçar colegas em 2008, luta hoje contra o Bullying

Em fevereiro de 2008 a cidade de João Pessoa foi sacudida por ameaças publicadas na internet contra estudantes do colégio Motiva, onde um aluno encapuçado, que se autodenominava Bulicida, exibia armas e se dizia disposto a cometer um atentado. O caso felizmente teve um fim diferente da tragédia de Realengo, onde 12 crianças foram executadas por um jovem que também sofreu bullying na escola. Hoje, o ex-aluno do Motiva, Rafael Fonseca, usa a rede mundial e computadores para conscientizar os internautas sobre um problema que afeta milhões de crianças no planeta.

Rafael conta em novos vídeos, publicados no You Tube, que chegou a tomar medicamentos de tarja preta para combater a depressão que sofria desde a época em que estudou com colégio Pio XI, também na capital paraibana, e revela que comprou os medicamentos pela internet, sem o uso de receitas médicas.

O jovem elogiou a atuação do Ministério Público da Paraíba, entre as quais: o serviço “Disque 100”, que recebe denúncias de Bullying, a Lei 8.538/2008 (Lei trata do enfrentamento ao Bullying, de ação interdisciplinar e de participação comunitária nas escolas públicas e privadas do Estado da Paraíba) e trabalhos de divulgação e conscientização sobre Bullying e Violência Escolar em universidades e escolas.

Em seu canal no You Tube, Rafael se apresenta da seguinte forma: “Meu nome é Rafael Fonseca, fui vítima de Bullying e atualmente discuto e falo abertamente sobre este problema, que afeta milhões de crianças e jovens no Brasil e no mundo”. E completa: “Meus vídeos depoimentos conto meus relatos sobre o bullying que sofri dentro da escola e também falo sobre o "Caso Motiva" ou "Caso Bulicida", no qual ameacei realizar um falso ‘atentado’ armado e com explosivos dentro de uma escola particular na cidade de João Pessoa, capital do estado da Paraíba, no ano de 2008. Na época eu tinha 17 anos de idade. O objetivo único desse Canal, é expor a aqueles que sofreram bullying que não estão sós nessa luta. E aqueles que causam/causaram bullying, vejam o desastre que podem ocasionar”.

Rafael conta que no colégio Pio XI teve problemas com uma professora e diz que esta chegou a influenciar estudantes contra ele, fato que teria resultado em agressões, que normalmente ocorriam antes da aula de educação física. “Hoje eu tenho mais informações sobre isso e entendo que o Colégio Motiva foi vítima do meu pós-bullying, ou seja, o problema estourou no Motiva, como poderia ter estourado em qualquer colégio que eu entrasse”, revelou em depoimento.

Apesar de a imprensa divulgar na época que a revolta do então estudante do ensino médio tinha sido provocada por apelidos, Rafael diz que tal fato só foi responsável por 2% de sua ação. Após revelar sua identidade, Rafael disse ter sido submetido a realizar um trabalho comunitário, sendo acompanhado por uma psicóloga, mas chateado com o fato de ter que pagar por um “erro” que entendia não ser seu. Rafael faz questão de destacar que o “grupo bulicida” que assinou alguns vídeos jamais existiu e que tudo foi produto da sua imaginação para chamar a atenção para o fato.

Um dos fatos mais surpreendentes narrados pelo jovem é um falso sequestro forjado por ele, onde chegou a pensar em atear fogo ao próprio corpo, mas acabou desistindo pelo desconforto causado pela grande quantidade de gasolina que jogou em si mesmo, tendo revelado a farsa após oito horas de depoimento. 
http://www.clickpb.com.br/artigo.php?id=20110411044040&cat=paraiba&keys=estudante-pb-chegou-ameacar-colegas-luta-hoje-contra-bullying

Parte 1 


Parte 2


Parte 3

 

Um comentário:

  1. Nossa assustador, doentio, bullying transforma as pessoas. Medo, medo de mais de por filhos na escola.Esta parece ser um centro que cria loucos, pessoas normais entram e saem loucos. Que Deus cuide do país, dos alunos e das escolas

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!