sexta-feira, 18 de março de 2011

Justiça Restaurativa

Olá Pessoal, bom dia...

No post anterior, citei mais um caso de bullying que foi parar nos bancos da justiça tradicional. Toda vez que vejo situações como essa, logo penso: justiça restaurativa já! Pois, tenho minhas dúvidas que o autor (menor)de bullying aprenderá e entenderá o porquê nunca mais agredir e humilhar alguém só porque foi processado.

Sei que no Brasil muitos acreditam que "somente quando mexem no bolso é que o brasileiro respeita regras", porém, como educadora e professora, penso que antes de acabar em processo, muito pode ser feito e ensinado. Está aí mais um dos milhares papéis da educação, talvez o mais importante: formar cidadãos de bem.

Por isso, hoje falarei um pouquinho sobre a justiça restaurativa que, conforme a resolução 2002/12 do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas significa:
“qualquer programa que use processos restaurativos e objetive atingir resultados restaurativos.” (p.3) e avança, dizendo que esses Processos Restaurativos são quaisquer processos onde vítima e ofensor, bem como demais outros indivíduos ou membros da comunidade que foram afetados pelo conflito em questão, participam ativamente na resolução das questões oriundas desse conflito, geralmente com a ajuda de um facilitador. 

Trata-se de um modelo que não se apóia em regras rígidas e punições, mas que segue sua resolução baseada no firmamento de valores para resolver os casos.

Experiente no assunto, o professor Neemias Moretti Prudente, um companheiro na luta contra o bullying, escreve "A Justiça Restaurativa é uma medida complementar/alternativa de solução de conflitos. Com práticas restaurativas se evita a delegacia, o processo e a punição do infrator e não satisfação da vítima e comunidade. No processo crime ou disciplinar (na escola) tradicional ninguém ganha e o problema não é resolvido. Na JR a finalidade é resolver o problema e satisfazer todas as partes, inclusive evitar que o problema volte a ocorrer."

Por que levar o problema para a delegacia se a escola é capaz (deveria ser) de resolver? Por isso, projetos de prevenção ao bullying são muito importantes e, também, quando a escola é coerente ao resolver os conflitos internos, os alunos sempre saem ganhando. 

 Para mais informações vejam:

Ótimo final de semana a todos
Grande abraço,
Carol.

Fonte da imagem: http://agendadacidadania.blogspot.com/2008/12/normal-0-21-microsoftinternetexplorer4.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!

Li e não gostei.

Acabei de ler uma matéria no site da Revista Encontro dizendo que o caso de Goiânia não foi bullying. Até aí tudo bem, nem sempre é fác...