quarta-feira, 19 de maio de 2010

Reflexão sobre o filme: Odd Girl Out




Filme: Odd Girl Out

Tradução: Garota Fora do Jogo

Elenco: -  Alexa Veja (como Vanessa),
       - Lisa Vidal (como Barbara),
       - Leah Pipe (como Stacye).

Rodado nos Estados Unidos e dirigido por Tom McLoughlin, é uma adaptação do livro de Raquel Simonn, traduzido como “Garota fora do jogo: a cultura oculta da agressão às meninas.


O filme mostra um alvo de bullying, no caso, uma menina chamada Vanessa. Vanessa era uma das garotas populares da escola e passa a ser agredida psicologicamente durante o filme. 

Quem mais a agride é a sua ex melhor amiga, Stacye. Esta espalha difamações, gozações, chacotas e apelidos pejorativos por meio de mensagens de celulares, internet e, às vezes, pessoalmente.

Quem assistiu ao filme viu como é difícil a vida de um alvo de bullying e, também, como é ineficaz a ajuda daqueles que querem o bem da pessoa, mas que não possuem informação sobre o fenômeno e maneiras corretas sobre como agir diante aos casos de bullying.

No filme, Vanessa recebe o apoio de uma amiga que também é alvo de bullying. Esta diz que: AUTORES DE BULLYING SÃO COMO TORNADOS: POR ONDE PASSAM DESTRÓEM TUDO!

Em Odd Girl Out, o bullying quase destruiu a vida da adolescente Vanessa, que passou a sofrer depressão, tristeza, angústia, transtornos comportamentais e, até mesmo, tentativa de suicídio. Essas conseqüências também acontecem na vida real, uma vez não existente uma intervenção eficaz no combate ao bullying.

A escola não propôs nenhuma ação para a resolução do caso no filme. A amiga Stacye, assim como o seu grupinho de meninas autoras, fazia páginas na internet induzindo que Vanessa era gorda e feia; mandava mensagem no celular de Vanessa dizendo que ninguém gostava dela; riam dela e a isolavam nos espaços escolares.

Vejam como o bullying acontece silenciosamente... As mensagens de celulares eram enviadas na sala de aula, com a presença da professora. O isolamento sempre passa despercebido. Identificar o bullying não é fácil!

Vejam, também, como o alvo também precisa ser “trabalhado” num projeto anti bullying. Vanessa se importava muito com as ameaças das autoras. É preciso sempre elevar a autoestima do alvo de bullying e trabalhar nele a autoconfiança.

Por fim, o filme mostra bullying direto, indireto e cyberbullying e pode ser passado no ensino fundamental e médio, para que, estas séries iniciem uma discussão sobre bullying. Saber que ele existe é o primeiro passo para combatê-lo e preveni-lo!!!

Abraços,
Carol. 

  

Um comentário:

  1. Aline Archangelo19 de maio de 2010 17:15

    É muito estranho pensarmos na ideia de que o bullying é uma agressão silenciosa sendo que TODOS na escola sabem que ele existe. É por isso que professores devem estar preparados para identificarem o fenômeno em sala de aula. Dificilmente eles verão as crianças agredindo outras, pois elas tomam muito cuidado para que isso não aconteça, mas, em compensação, quando algo vai mal com uma criança ou um adolescente, conseguimos perceber através de seu comportamento e atitudes que alguma coisa não está bem com ela. E além disso, vale ressaltar a importância do espectador nos casos de bullying, pois essencialmente é através deles que esse tipo de violência deixará de ser silenciosa.

    Interessantíssimo esse filme! Vale a pena conferir...

    Até mais!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!